Notícias

Caixa preta da Codesp começa a ser aberta

Fonte: DCG / AssCom Sindaport



A reportagem veiculada pelo jornal A Folha de S. Paulo na edição desta terça-feira deu início ao processo de abertura da caixa preta que permaneceu guardada a sete chaves no calabouço da Codesp - Companhia Docas do Estado de São Paulo. Segundo a matéria, o suposto "capo di tutti capi" Paulo Vieira, mais conhecido pelos lados da Rodrigues Alves s/nº como Paulo Maluco, ditava o teor dos pareceres emitidos pela estatal portuária.
 
A nota cita o superintendente jurídico da empresa, Manuel Luís, acusando-o de ser o elo entre a Codesp e Paulo Maluco, ainda membro do Conselho de Administração da companhia docas paulista.  Segundo a Folha, "num parecer, Luís defende o ponto de vista de que a Tecondi, empresa de contêineres que ocupa área da União no porto de Santos, não violou a lei de licitações ao explorar uma área diferente da arrendada".
 
O parecer contrariava o TCU, que por sua vez defendeu o rompimento do contrato da Codesp com a Tecondi uma vez que a empresa portuária não ocupara a área prevista na licitação devendo, portanto, deixar o terreno e sair do Porto de Santos. Não se sabe ao certo como e sob quais condições prevaleceu o entendimento do superintendente da estatal e de Paulo Maluco. 
 
O fato traz à luz os desmandos praticados nos primeiros escalões da Codesp e coloca sob suspeita todo e qualquer parecer técnico e principalmente jurídico emitido pela Autoridade Portuária. Não obstante, todos os contratos de arrendamentos, concessões, adensamentos e etc., decorrentes de tais pareceres colocados em xeque precisam ser passados a limpo pelo atual comando da estatal antes que a desmoralização seja total. 
 
Apesar da divulgação da matéria, o envolvimento de Manuel Luis com o principal acusado na investigação da Polícia Federal já é bastante conhecido nos bastidores da Codesp. Há quem garanta que o novo presidente da Companhia Docas, Renato Barco, teria sido alertado sobre a ligação de seu subordinado com o membro do Consad, como também sobre os atos ilícitos praticados pela dupla e pela Superintendência Jurídica. A exoneração não teria ocorrido ainda por falta de autonomia e ingerências políticas externas.
 
Para o presidente do Sindaport, Everandy Cirino dos Santos, o novo mandatário da Codesp precisa promover uma limpa para o bem da empresa. "Entendemos que o presidente Barco deva se cercar de pessoas sérias e corretas, sobretudo de sua inteira confiança, além de exonerar os que comprovadamente praticaram irregularidades e falcatruas", disse. O sindicalista acredita que outras revelações estão a caminho. "Foi apenas o fio da meada porque vem muito mais por aí”.



Imprimir Indicar Comentar

Comentários (2)

A Diretoria
Data: 06/12/2012 - 23h42

Senhor Francisco

O texto foi escrito de forma clara e objetiva, inclusive dando nome aos "bois", ou melhor, aos envolvidos e não ao efetivo da Superintendência Jurídica como o senhor interpretou equivocadamente.
Tenha a certeza que somos sabedores da correção e das qualidades dos profissionais lotados no setor.


A Diretoria
 

francisco dos ramos
Data: 06/12/2012 - 14h02
Senhor Presidente

Inoportuna e inconveniente a manifestação dessa entidade ao mencionar ".....atos ilícitos praticados (..) e pela Superintendência Jurídica, pois deixa a entender que todo efetivo daquela superintendência está inseridos como "praticante de ato ilícito", Incluindo, no entender da redação, profissionais que exercem suas atribuições com ética e respeito ao contrato trabalho.

Francisco dos Ramos
Advogado


Compartilhe



Voltar