Notícias

CMO aprova LDO 2019 e mantém vedação a reajustes do funcionalismo

Fonte: Reuters 
 
A Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou nesta quarta-feira o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019, que veda a concessão de reajustes salariais ao funcionalismo público e que estabelece meta de déficit primário de 132 bilhões de reais para o setor público consolidado, sexto resultado anual consecutivo no vermelho.
 
O projeto da LDO ainda precisa ser votado em sessão conjunta no Congresso Nacional, prevista para ocorrer ainda nesta quarta-feira.
 
Numa mudança em relação ao que originalmente pretendia, o relator do texto, senador Dalirio Beber (PSDB-SC), diminuiu a obrigação do corte de despesas de custeio a 5 por cento em relação à programação para 2018. Antes, a tesourada era de no mínimo 10 por cento.
 
Mesmo assim, ele avaliou que o projeto seguiu fiel à proposta de não ampliar quadro de dificuldades para o futuro governo.
 
"O espírito principal do projeto, que era de fato não aumentarmos a despesa pública, foi atingido. Será atingido por inteiro se nós tivermos a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias na noite de hoje na sessão do Congresso", afirmou, após concluída a sessão na CMO.
 
O texto propõe uma série de outras medidas de restrição, como a proibição à compra de automóveis e imóveis funcionais a todos os poderes durante o exercício.
 
O projeto também determina que o governo apresente até o fim de março um plano para reduzir em dez anos o montante de renúncias tributárias a 2 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), ante cerca 4 por cento atualmente, patamar equivalente a cerca de 300 bilhões de reais anuais.
 
Em outra frente, institui que nenhuma nova renúncia poderá ser criada em 2019 e as que vencerem só poderão ser prorrogadas se tiverem seus valores reduzidos.
 
Em relação aos resultados fiscais, o relatório estabeleceu uma meta de déficit primário de 139 bilhões de reais para o governo central (governo federal, Banco Central e Previdência); déficit primário de 3,5 bilhões de reais para estatais; e superávit primário 10,5 bilhões de reais para o governo central (Estados e municípios).
 
O texto também manteve as projeções econômicas apresentadas pelo governo em sua proposta original, considerando um avanço do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,5 por cento em 2018 e de 3 por cento em 2019. Mas Beber ressalvou que estimativas mais atuais já indicam que o crescimento neste ano não deve ocorrer no ritmo esperado pelo governo.
 
"Se esse quadro de fragilidade se confirmar e eventualmente determinar alterações nas expectativas, o próprio texto do substitutivo permite que o Poder Executivo se utilize de novos parâmetros para elaborar o projeto do orçamento de 2019", pontuou ele no relatório, em referência ao projeto de Lei Orçamentária Anual (LOA), que o governo deve enviar ao Congresso até agosto.
 
No mercado, economistas estimam que o PIB terá uma expansão de 1,53 por cento este ano e 2,5 por cento no ano que vem, conforme boletim Focus mais recente, produzido semanalmente pelo Banco Central junto a uma centena de economistas. O próprio BC revisou para baixo sua expectativa de crescimento do PIB neste ano a 1,6 por cento, sobre 2,6 por cento antes.
 
O governo deve ir pelo mesmo caminho, diminuindo sua projeção para a atividade no próximo relatório de receitas e despesas, a ser divulgado no fim da próxima semana.
 



Imprimir Indicar Comentar

Comentários (0)



Compartilhe



Voltar